bg      bg
bg
spacer
spacer
Artigos de Opinião
Mediação mais segura
FotoPublicado no dia 04 de abril no Jornal Público

Todos os dias nascem novas empresas de mediação imobiliária em Portugal. Em 2017, licenciaram-se 1.385 novas mediadoras, mais 30% que no ano anterior.

Os números evidenciam a dinâmica do sector imobiliário e o seu potencial de crescimento (que em dois anos cresceu 50%), que tem chamado a atenção de investidores, nacionais e estrangeiros, alargando o leque e oportunidades que se abrem nos diferentes segmentos de mercado, desde a reabilitação até ao alojamento local.

Este crescimento do imobiliário nacional, é muito positivo para a Economia e para o sector, mas tem duas faces da mesma moeda. Por um lado, a profissionalização dos agentes imobiliários, que estão cada vez mais preparados para atuar neste mercado, apostados na sua formação e em cumprir a legislação que regula o sector obedecendo à ética e transparência que promove a credibilidade da classe e a defesa do consumidor.

Por outro lado, a proliferação de “empresas” e “agentes” que atuam à margem da lei, e se aproveitam das dinâmicas do mercado para ganhar dinheiro sem obedecer às regras decretadas para a atividade, nomeadamente no que diz respeito ao combate ao branqueamento de capitais.

O cenário mudou completamente desde a crise que abalou o sector. Passámos de um panorama em que a procura dominava a oferta, para um momento em que é a oferta que domina o mercado, tal é a ausência de stock que se começa a sentir. E isso tem feito com que alguns “agentes” percam completamente o conceito de ética profissional que deveria predominar.

A mediação imobiliária tem hoje um valor inegável no panorama económico. Os agentes são responsáveis por uma boa parte do PIB nacional e isso acarreta alguma responsabilidade. Como tal, essa responsabilidade deve ser assumida, e por isso é necessário que haja uma fiscalização mais atenta a quem exerce mediação imobiliária sem estar devidamente atestado para tal. A defesa do consumidor é tão importante para a procura como para a oferta, e é por isso que os profissionais que atuam legitimamente neste terreno, são aqueles que melhor podem assessorar o mercado.

Neste panorama, a APEMIP reúne as condições necessárias para assumir esta responsabilidade, e as empresas de mediação já o reconheceram, através de um inquérito que foi promovido junto delas no ano passado. 90% do mercado exige a autorregulação da classe, e mostra que este objetivo é não só alcançável como desejável.

Desta evidência, resulta a legitimidade de reclamar competências acrescidas, através de uma autorregulação que combata a concorrência desleal, a falta de ética, a falta de transparência e a falta de proteção dos clientes. Melhor que ninguém, a classe conhece bem os problemas que a atingem, e será mais ágil e eficaz na promoção de uma fiscalização feita em parceria com o Estado, promovendo desta forma um sector mais fidedigno e transparente.

Tudo isto num processo que, naturalmente, levará o seu tempo, mas que deve começar pela delegação de poderes à APEMIP que permitam a verificação e supervisionamento do mercado.

Só assim impediremos a multiplicação de quem recorre a estratagemas que descredibilizam os mediadores.

Luís Lima

Presidente da APEMIP

luislima@apemip.pt

Projetos

 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

bg
bg bg bg