Programa Lista A

2023 – 2024 – 2025

Plano e Considerandos Estratégicos

 

1. A representação do setor assente em princípios que protejam a atividade de quaisquer ameaças que ponham em causa o prestígio, a notoriedade, o espaço comercial e a implementação de boas práticas na atividade de mediação imobiliária.

Sendo um objetivo estratégico de grande “amplitude”, a sua implementação estará diretamente associada ao modo como a Associação, os seus colaboradores e os seus Dirigentes “olham”, encaram e vivenciam o dia a dia das suas atividades Associativas, focados no “todo” do setor, com capacidade para que a gestão de processos individuais dos Associados, suas pretensões, duvidas, e demais interações estejam, invariavelmente alinhadas com a representação geral do setor. Deverá caracterizar o decorrer integral do mandato.

2. Em respeito pela livre concorrência, implementar boas práticas, generalizar o cumprimento do código de ética e deontológico da APEMIP.

A atividade de mediação imobiliária está sujeita às regras e à legislação em vigor relativa a atividades comerciais em regime de livre concorrência. Como tal em circunstância alguma poderá a Associação promover ou patrocinar sob qualquer forma, práticas passíveis de interferir com o princípio de Livre Concorrência. Simultaneamente a APEMIP procurará generalizar junto dos seus Associados o seu código deontológico e manual de boas práticas, conforme estipulado no ponto 12 do presente programa.

3. Trazer ao setor o Portal Imobiliário CasaYes, dotando o setor de um Portal de referência, reduzindo a sua dependência de outras plataformas, incrementando a cooperação entre distintas empresas. Colocar ao serviço dos associados as diferentes e constantes evoluções tecnológicas, através da permanente integração na Plataforma/Portal CasaYes de quaisquer funcionalidades no âmbito da divulgação, comunicação, geração de contactos associados a transações imobiliárias.

A implementação do Portal CasaYes é um projeto de elevada relevância para a Associação e deverá ser a plataforma de referência para os associados divulgarem os seus imóveis, para captarem contactos de clientes, para interagirem em partilhas de negócio com outros operadores, para uniformizar boas praticas de divulgação, boas práticas de partilha, boas praticas de procedimentos em transação, para reduzir a dependência comercial de outras plataformas, para captar novos Associados e para desenvolver um novo ciclo de património digital da APEMIP.

A metodologia operacional irá decorrer em outsourcing, com acompanhamento e controle de decisões da APEMIP, após sufrágio em Assembleia Geral de Associados.

No primeiro semestre de 2023 a estrutura comercial de captação e apoio, bem como a campanha de comunicação especifica para o portal conforme o plano comercial e de marketing que será aprovado ainda em 2022.

4. Converter a Academia de formação da APEMIP na referência Nacional em formação para a atividade imobiliária. Seis novas formações de teor regular irão passar a integrar o atual conjunto de formações disponíveis.

“API” Acesso à profissão de Agente Imobiliário “AGI” Agente imobiliários

“DPI” Desenvolvimento da profissão imobiliária

“lmogreen” em colaboração com a NAR (National Associatíon of Realtors)

“CIPS” em colaboração com a NAR (National Association of Realtors)

“Análise de Mercado” em colaboração com “Confidencial Imobiliário”

Formações de teor pontual que se revelem de utilidade e adequação à generalidade dos nossos Associados. Os formadores que integrarão a Academia da APEMIP, terão a sua presença associada ao mérito, à diferenciação e aos resultados expressos pela generalidade dos nossos formandos. Ajustar, adequar o quadro de formações existentes a possíveis alterações legislativas, cabendo à Academia de Formação da APEMIP a incorporação de eventuais formações de teor legislativo.

A Academia de formação da APEMIP, em plena atividade na sede da Associação pretende ser a referência formativa para os Associados e para quaisquer interessados no acesso à profissão. Aliamos a oferta formativa com uma estrutura de custos diferenciada de modo a permitir tornar mais acessível a formação à generalidade dos Associados. A estrutura e abrangência da nossa oferta formativa, confere legitimidade acrescida à Associação na reivindicação de maiores exigências e profissionalização no acesso à atividade imobiliária. Em 2023 cujo calendário de formação se encontra executado teremos as nossas sessões online sempre que os conteúdos e características de cada curso o permitam, bem como o “alargamento” de formação presencial às respetivas delegações regionais.

5. Gabinete de estudos da APEMIP no âmbito do protocolo já celebrado entre a APEMIP e o Confidencial Imobiliário, será regularmente disponibilizada informação exclusiva e analiticamente tratada, para que coadjuvada com os dados recolhidos junto dos nossos associados através dos regulares inquéritos de conjetura, a Associação esteja dotada de um verdadeiro gabinete de estudos de mercado imobiliário o qual passará a emitir em formato newsletter uma síntese mensal dos principais indicadores estatísticos e de mercado, estando igualmente capacitado para disponibilizar permanentemente dados de mercado sempre que solicitados pelos nossos Associados, posicionando-se deste modo como o “Observatório Imobiliário”

Teve início em 2022 a constituição de um Gabinete de estudos e dados de mercado imobiliário. O acordo estratégico com “Confidencial Imobiliário” é muito relevante pois permite a incorporação permanente de dados e respetiva análise, sem exigir à Associação aumentar a sua estrutura Humana e tecnológica, permitindo-nos deste modo prestar informação fiável e diferenciada com periodicidade mensal e simultaneamente ter reunidas as condições para a resposta célere a quaisquer solicitações dos Associados.

6. Através do desenvolvimento de atividade do grupo de trabalho “GIRE” (Grupo Imobiliário em Reflexão) constituído por diversos Agentes imobiliários, transversais a diversos e distintos modelos de negócio de mediação imobiliária, identificar a metodologia adequada para que aos Agentes Imobiliários/ Profissionais imobiliários seja possível através da APEMIP, encontrar espaço à sua representatividade.

A APEMlP deverá ter a capacidade para implementar as alterações necessárias de modo a por um lado preservar a representatividade das empresas de modo diferenciado mantendo a sua identidade enquanto associação empresarial e simultaneamente encontrar formas de representatividade que permitam incorporar os profissionais imobiliários na Associação, evitando deste modo a previsível proliferação de outros órgãos associativos com consequências na “generalização” da representatividade do setor.

7. Implementação de um novo evento imobiliário no Norte de Portugal realizado em colaboração com a EXPONOR, “Norte Imobiliário” um espaço de amostra para as empresas de mediação Imobiliária com atividade e ou interesse comercial no norte do País, bem como para a generalidade dos seus parceiros estratégicos. Implementar regularidade na caracterização do evento em Outubro de cada ano em simultâneo com o salão de exposição “Concreta”. Desenvolver como o apoio das Delegações e Associados a realização futura de eventos idênticos no Algarve e Região Autónoma dos Açores.

Em 2022 foi realizado protocolo de cooperação conjunta com a Exponor com o objetivo da realização regular de um salão imobiliário no Porto no segundo semestre de cada ano. A 1ª edição do Salão irá ter lugar um Outubro de 2023. Com os necessários ajustes de dimensão, seria importante concretizar idênticos eventos na região do Algarve e Região Autónoma dos Açores, sendo para tal imprescindíveis o envolvimento local dos nosso Associados e representantes.

8. Desenvolver a presença da APEMIP nas regiões autónomas da Madeira e Açores, através da representação por Associados locais.

As nossas Regiões Autónomas têm grande presença e atividade de Empresas e Profissionais imobiliários, se por um lado muitos dos desafios que enfrentam são transversais ao nosso País, outros existem e estão diretamente relacionados com as dinâmicas e caraterísticas regionais, sendo portanto relevante para a APEMIP “estender” a sua presença às nossas regiões, através da figura de um representante local, escolhido com base em metodologia a implementar que deverá respeitar princípios de equidade e rotatividade.

9. Salão imobiliário da Madeira, evento bianual alternado com jornada de “Madeira na rota do Imobiliário’: ambos realizados com o apoio do Governo Regional da Região Autónoma, da Câmara Municipal do Funchal e do Jornal da Madeira, levar a presença da APEMIP à região autónoma, incrementando a proximidade com os associados locais e colocando na região a relevância adequada no âmbito da atividade imobiliária.

Em 2022 a APEMIP celebrou protocolo de colaboração com o Jornal da Madeira, com o apoio do Governo Regional e da Câmara Municipal do Funchal com vista à realização de um salão bianual na Região Autónoma da Madeira, alternado com um evento de jornada imobiliária “Madeira na rota do Imobiliário” a realizar este último em Novembro de 2022. Desenvolver a proximidade com as imobiliárias locais, estabelecer intercâmbios comerciais e usufruir do entusiasmo e apoio das Autoridades locais, convertem este evento numa das nossas referências anuais.

1O. Primeira Convenção Nacional, Evento Nacional agregador do setor, momento de partilha de conhecimento internacional e nacional, de proximidade com responsáveis da tutela do setor. Criação de prémios com o objetivo de reconhecimento de mérito, carreira e desempenho às Empresas, aos Associados e aos Agentes Imobiliários que se diferenciam num conjunto de características pré-definidas. Intervenção de cariz lúdico/espetáculo transversal a todos os associados.

A proximidade entre a Associação e os seus associados é indispensável ao seu êxito progresso e notoriedade. Um evento que retire os Empresários e os Profissionais das suas rotinas do dia a dia, que lhes permita conhecerem­ se um pouco melhor fora do “ecossistema” onde diariamente atuamos, que contribua para reconhecer, formar, interagir com as diferentes tutelas, distinguir e elevar o nosso setor, é uma obrigação que há muito deveria marcar anualmente o nosso setor.

11. Presença em mercados internacionais de relevo, deslocação a eventos cujo destaque para o setor seja reconhecidamente importante, nomeadamente junto da NAR nos EUA, do COFECI CRECI e SECOVI no Brasil. Perspetivar igualmente a presença da APEMIP em eventos imobiliários em França, nomeadamente no salão imobiliário de Portugal em Paris e do MIPIM, entre outros que se venham a manifestar de relevante interesse para a generalidade do setor.

As deslocações a eventos internacionais de reconhecida relevância, como os anteriormente referidos, terão sempre dois princípios de atuação, a procura de patrocinadores que minimizem os respetivos custos e o envolvimento e participação de quaisquer associados interessados em integrar eventuais eventos internacionais. A Associação deverá estar próxima das tendências que se venham a conhecer como relevantes, quer na perspetiva das práticas e desempenhos da atividade de mediação, quer na perspetiva comercial que permita aproximar investidores estrangeiros do nosso mercado imobiliário e investidores nacionais de mercados estrangeiros. Os custos associados à internacionalização da APEMIP deverão ser integrados no seu plano anual de atividade com a respetiva orçamentação anual.

12. Criar um órgão consultivo “Conselho Estratégico Internacional” cujo objetivo será a procura Global de tendências, de práticas, de modelos, de soluções relevantes ao progresso, atualização e relevância para os nossos Associados e para o nosso setor. Terá igualmente significativa relevância o desenvolvimento de uma nova estrutura de representatividade do setor imobiliários dos Países de Língua Portuguesa.

Este novo órgão terá relevante significado para a Associação, tendo por principal objetivo identificar, avaliar, adaptar e incorporar a generalidade dos aspetos identificados no ponto anterior do presente programa, sem a dependência forçosa de deslocações muito onerosas e com maior regularidade de comunicação e interação com tendências de teor internacional.

13. Reenvio formal a todos os Associados do código deontológico da Associação, com o objetivo de ser devolvido assinado em documento criado para o efeito. Após receção a APEMIP enviará aos seus Associados certificado e chancela | Selo de garantia de serviço, o qual poderá ser utilizado em toda a comunicação comercial do associado. Serão identificadas desconformidades e más práticas, passiveis de a Associação não reconhecer legitimidade à utilização da referida chancela/selo.

A Associação e os seus associados não deverão estar dependentes de reformas legislativas que protejam a notoriedade e “elevação” da nossa atividade. Torna-se, portanto, imperativo encontrar novos caminhos que permitam premiar as empresas e associados que se destaquem no âmbito das boas práticas e dos princípios éticos e deontológicos que os caracterizam.

14. Revisão estatutária adaptando o seu clausulado à realidade atual, colmatando lacunas existentes e clarificando artigos.

Sem prejuízo de outras alterações ou correções urge alterar:

-Ponto 3 do artigo 21º dos estatutos relativamente à representatividade necessária às alterações estatutárias,

-Número total de elementos dos órgãos sociais da Associação são excessivos, números não compatíveis com a criação de listas que promovam a alternância dos órgãos sociais e a sua agilidade operacional.
Previsivelmente será igualmente necessário rever:

– Final de mandato sem lista candidata.
– Limitações temporais de atividade para Presidente da DN.
– Em qualquer votação, criar limitações ao número de associados representados por procuração por outroassociado.
– Opção de voto eletrónico em eleições.
– Regras de identificação de associados para assembleia eleitoral.
– Penalização por quotas em atraso.
– As quotas em atraso devem poder ser regularizadas para o associado poder exercer o voto.

15. Cumprimento dos estatutos através da estruturação operacional da Associação em correspondência direta com as suas obrigações estatutárias, nomeadamente as relativas a todas e quaisquer informações sobre a situação associativa, financeira e patrimonial da Associação. Repor a obrigação estatutária da criação de um fundo de reserva de 5%, regularizar a informação global da Associação, nomeadamente através da correção de uma conta relativa a quotização em atraso, a qual pela sua antiguidade, não reflete a real posição financeira da APEMIP.

A atividade da Associação, independentemente das rotinas diárias das múltiplas alterações operacionais e dos ajustamentos constantes que empresas e organizações cada vez mais têm de fazer, não se pode distanciar do cumprimento rigoroso das suas normas estatutárias. Torna-se, portanto, imperativo identificar toda e qualquer prática realizada na APEMIP de forma a ajustar a sua norma e garantir que a mesma cumpre a missão e objetivos da Associação propondo essa introdução/alteração à mesa da Assembleia Geral da APEMIP.

16. Em total articulação com a Direção Nacional, determinar a planificação operacional, respetivo orçamento e cronologia de ações das delegações regionais que integram a APEMIP.

O objetivo e missão das Delegações Regionais da Associação é de uma maior proximidade com os diversos Associados e Profissionais distribuídos geograficamente pelo nosso País. A existência das delegações só se justifica com a materialização efetiva da proximidade das Delegações com os Associados e Profissionais, sendo portando necessário associar ao plano anual de atividades e orçamento, os planos respetivos orçamentos específicos para cada delegação regional.
Sem prejuízo de quaisquer eventos que venham a ser determinados pelas respetivas Delegações regionais, estas assumem o compromisso de mensalmente agendar e realizar reunião de trabalho com os respetivos associados locais.

Os Vice-presidentes das Delegações Regionais, ficarão responsáveis pela convocação das reuniões, contando para o efeito com o apoio dos serviços administrativos das delegações respetivas. Estas reuniões poderão ter o formato, (presencial ou teleconferência) que se revele mais adequado.

17. Dotar a Associação da robustez financeira necessária à sua prossecução futura.
É obrigação da Direção Nacional e de todos os órgãos sociais da Associação zelar pela constituição de receitas regulares e fundos de reserva, que permitam assegurar a continuidade, desenvolvimento e relevância da APEMIP no setor imobiliário e na sociedade.

Translate »